Quarta-feira, 23 de Abril de 2014

Herdade de Alvares - Forais e sua História

 



Caros conterrâneos / Caros parentes,

No âmbito das comemorações dos Forais da antiga Herdade de Alvares - 500 Anos do Foral Manuelino e 733 Anos do Primeiro Foral - está a ser editado um Livro, de capa dura, com cerca de 250 páginas a cores, muito rico de imagens, com factos e dúvidas sobre a nossa bela região. A sua apresentação terá lugar dia 4 de Maio em Alvares, aquando das comemorações dos 500 Anos do Foral Manuelino. O programa do evento de dia 4 de Maio, em Alvares tem início às 10:00 com uma arruada, seguindo-se, às 11:00 missa na Igreja de S. Mateus, terminando com um almoço volante para os presentes. Antes, dia 3 Maio, pela manhã, irá ser realizado um passeio BTT, pela nossa bela região, com muitas descidas e poucas subidas, com início junto ao Casal Novo e terminando com almoço na Chã de Alvares, passando pelo Machio (só para os mais resistentes).
 
A denominada Herdade de Alvares abrangia a actual freguesia de Alvares e partes das actuais freguesias de Portela do Fojo e Machio e também parte da Freguesia de Pessegueiro.
 
Certos que esta obra será do vosso interesse e de forma a possibilitar a edição de um número de exemplares ajustado às reais necessidades, decidiu a Comissão Organizadora das Comemorações dos Forais da Herdade de Alvares, possibilitar a Pré-reserva do referido livro, incluindo também um desconto nesta fase e até 10 de Abril 2014.
 
Para efectuar a pré-reserva do Livro deverá ser enviado cheque ou Vale Postal no valor de 25,00 Euros, para a Junta de Freguesia de Alvares, Rua Dr. Jaime Rebelo da Costa Arnaut, 5 - 3330-140 Alvares e fazer a confirmação do referido envio por e-mail (jfalvares@sapo.pt) ou telefone (235587384).
 
A Comissão Organizadora das Comemorações agradece a divulgação desta informação a outros possíveis interessados!
publicado por penedo às 16:36

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 22 de Abril de 2014

Gois 25 Abril -40 Anos

25abril

publicado por penedo às 17:01

link do post | comentar | favorito
|

A HISTÓRIA E OS MITOS II

Adriano Pacheco

 

A longa e misteriosa narrativa sobre a Herdade de Alvares é extraordinariamente maior, quando lembrada pela força dos mitos vividos por várias gerações, do que pelo seu próprio espaço físico configurado nos mapas terrestres. Esta caminhada histórica não se enquadra apenas nas delimitações do espaço, nem nas obrigações e coimas estabelecidas e exaradas no Foral. Revelam-se com fulgor através das tradições, dos mitos, das vivências que nela foram recriadas e vividas por várias gerações, estabeleceram vida própria e fizeram o seu percurso normal durante cincos séculos.

A dinâmica criada à volta deste espaço, ao longo dos tempos, transvazou para lá das regras estabelecidas e prolongou-se nos séculos dando autenticidade e consistência a um documento célebre que o transformou no mais vivo e interessante conjunto de normas régias que hoje nos interroga. A vida comunitária da região não começou nele, é certo, mas é nele que a história se baseia e nos coloca perante factos concretos e recortes intrigantes.

O tempo foi dando lugar aos tempos que foram criando marcos históricos, irrefutáveis testemunhos das épocas áureas, como foi a Fábrica de lanifícios movida por uma roda de enormes dimensões, através duma queda de água que nas pás caía estrondosamente, a qual ia transmitindo movimento pelo seu eixo, a uma antiquíssima máquina de fiação produzindo fio entrançado em faixas de burel que iam secar na encosta do Caratão, onde os mitos à sua volta se incendiavam na manufaturação deste velho e grosso tecido castanho. 
Essa roda viria a ser auxiliada por uma máquina (caldeira) a vapor, instalada logo à entrada do corpo central da fábrica, dando preciosa ajuda à roda em época de estio. São nossas as lembranças deste gigantesco engenho que fazia as delícias duma criança que encontrava encanto no seu maravilhoso e cadenciado movimento. As águas regressavam depois ao leito de onde tinham sido desencaminhadas para uma levada.

Para melhor combustão da lenha que alimentava caldeira desta máquina, foi construída a velha e eterna chaminé que hoje ainda é o testemunho mais visível dessa época áurea da indústria de lanifícios em Alvares. Conta-se que esta chaminé foi concebida e construída por um mestre pedreiro da Carrasqueira, criticada pela sua imponente edificação, com vaticínios de breve derrocada, ao qual o mestre respondeu que ainda haveria de fazer o pino na boca de saída lá nas alturas, depois de construída. Afinal ela ainda lá está forte, imponente e aprumada para orgulho de todos que a admiram, numa afronta às instalações da velha fábrica, última a produzir burel no País.
Temos escrito vezes sem fim que esta chaminé deveria ser tornada monumento da Vila, pela a autarquia, e preservada como património histórico mantendo-se como símbolo vivo duma época áurea desta região, que nem os tempos, nem os homens apagarão.

publicado por penedo às 00:28

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 12 de Abril de 2014

SABORES TRADICIONAIS... EM GÓIS

 

PÁSCOA DE SABORES | GÓIS14 A 20 DE ABRILSegundo a tradição religiosa, a Quaresma impõe o jejum, conhecido por um longo período de privação. Com as festividades da Páscoa retomam-se os prazeres da boa mesa, assim, objetiva-se que o Concelho de Góis, durante o período de 14 a 20 de abril, se torne destino de eleição para os amantes da cozinha tradicional. Neste sentido, lança-se o desafio, os espaços de restauração do Concelho aderentes proporcionam a todos os visitantes e clientes momentos perfeitos de degustação dos saberes e sabores da Capital do Ceira.Assim, das muitas iguarias tradicionais do concelho de Góis, o cardápio “Menu Páscoa de Sabores” existente nos restaurantes aderentes nestes dias será composto por:requeijão com mel, sopa de castanha, cabrito assado (opção prato de carne), truta (opção prato de peixe), tigelada, arroz doce, filhós com mel ou “Gamelinhas - Doce Típico de Góis”Por cada refeição servida, associada ao referido menu, o cliente recebe um pequeno brinde, lembrança do Município de Góis, solicite o seu!Góis, um vale de sonho, que comemora este ano 9 séculos de história, privilegiado por belezas naturais que enchem os olhos e a alma…RESTAURANTES ADERENTESRestaurante "A Caravela" – 235 772 644Restaurante "A Tranca da Barriga" – 235 772 271Restaurante "O Beira Rio" – 235 771 176Restaurante " Casa Ti Maria" – 912 703 071 *Restaurante "A Élia" – 235 587 429*(sujeito a marcação prévia) Para mais informações e/ou esclarecimentos adicionais deverá contactar o Posto de Turismo 235 770 113 ou 963959872 | email: turismo@cm-gois.pt

PÁSCOA DE SABORES | GÓIS


14 A 20 DE ABRIL

 

Segundo a tradição religiosa, a Quaresma impõe o jejum, conhecido por um longo período de privação. Com as festividades da Páscoa retomam-se os prazeres da boa mesa, assim, objetiva-se que o Concelho de Góis, durante o período de 14 a 20 de abril, se torne destino de eleição para os amantes da cozinha tradicional. Neste sentido, lança-se o desafio, os espaços de restauração do Concelho aderentes proporcionam a todos os visitantes e clientes momentos perfeitos de degustação dos saberes e sabores da Capital do Ceira.

Assim, das muitas iguarias tradicionais do concelho de Góis, o cardápio “Menu Páscoa de Sabores” existente nos restaurantes aderentes nestes dias será composto por:

requeijão com mel, 
sopa de castanha, 
cabrito assado (opção prato de carne), 
truta (opção prato de peixe), 
tigelada, arroz doce, filhós com mel ou “Gamelinhas - Doce Típico de Góis”

Por cada refeição servida, associada ao referido menu, o cliente recebe um pequeno brinde, lembrança do Município de Góis, solicite o seu!
Góis, um vale de sonho, que comemora este ano 9 séculos de história, privilegiado por belezas naturais que enchem os olhos e a alma…

RESTAURANTES ADERENTES

Restaurante "A Caravela" – 235 772 644
Restaurante "A Tranca da Barriga" – 235 772 271
Restaurante "O Beira Rio" – 235 771 176
Restaurante " Casa Ti Maria" – 912 703 071 *
Restaurante "A Élia" – 235 587 429
*(sujeito a marcação prévia)


Para mais informações e/ou esclarecimentos adicionais deverá contactar o Posto de Turismo 235 770 113 ou 963959872 

email: turismo@cm-gois.pt

publicado por penedo às 00:03

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Abril de 2014

A HISTÓRIA E OS MITOS

 

Adriano Pacheco


Vivemos um momento histórico que o destino nos colocou nas mãos com a responsabilidade de transmitirmos o legado cultural que nos coube por herança, cheio de mitos, tradições e realidades que a todo o momento nos assalta o espírito. As realidades reclamam a todo o momento e nos confrontam todos os dias! As tradições tendem em ser vividas e enquadradas nos novos tempos, com roupagens da atualidade. Os mitos, esses, formam o nosso mais belo tesouro cultural que se permitem, pela sua grandeza, à mais vasta e eloquente transmissão oral clamando pelo lugar da sua existência, com todas as consequências que daí advêm. Importa aqui darmos o melhor que temos e sabemos na busca dos alicerces mais genuínos da Herdade de Alvares. Somos poucos? Não somos assim tão poucos como isso…

Em criança chegou até nós uma “estória” cheia de cinzento mistério, transformada em lenda, que falava de um jovem, cujo padrinho conseguiu livrá-lo da serviço militar aquando do registo do seu batismo, dando-o como criança do sexo feminino. Esta situação vagueou pelos tempos com a habilidade e graça que os próprios tempos lhes iam permitindo num contexto nebuloso. Afinal, sabemos agora, que o mito tinha raízes e ganhou vida, segundo a descrição fundamentada do nosso amigo Aires Henriques, ao descrever o passado histórico do ilustre alvarense Hermano Neves, publicado na última edição deste Jornal.

Este destinto alvarense foi uma das grandes figuras de então, formou-se em medicina na Alemanha, depois passou pelo jornalismo como nos relata Aires Henriques: “Regressou a Portugal em 1909, depois de ser formado em medicina (…). Disposto a não exercer clinica, optou pelo jornalismo, aproveitando as suas aptidões inatas, da sua anterior experiência no Jornal “O Dia” (antes de ir para a Alemanha) e dando asas a essa grande paixão de sempre, ingressou assim como redator em o “O Século” de onde passou para o “Mundo”, de França Borges, onde se encontrava quando ocorreu a Revolução Republicana.”
“Foi então que Hermano Neves fez a cobertura dos acontecimentos de 4 e 5 de Outubro de 1910, que deu origem ao livro ‘Como Triunfou a República’. Mais adiante Aires Henriques complementa: “ Ainda que ávido de curiosidade e de saber, foi no exercício da sua atividade jornalística que Hermano Neves viajou pela Europa, Brasil e África. “Percorreu regiões inóspitas, andou meses numa verdadeira expedição (…) enviando reportagens vivas e coloridas dessas viagens pelas antigas colónias portuguesas”.

Somos de alguma forma um povo “errante”, cuja diáspora nos trouxe até aqui sem muitas vezes conhecermos bem, quem somos e por onde andamos. Devemos ser uns bons milhares, sempre com uma estrela que, de vez em quando, se acende de forma intermitente, dando alguma luz ao nosso pequeno mundo.

publicado por penedo às 23:38

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Abril de 2014

Teatro...em Góis

25abril

publicado por penedo às 15:43

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.posts recentes

. Comendadores de Góis

. Comendadores de Góis em L...

. Comendadores de Góis

. GASTRONOMIA E AS GAMELINH...

. ...

. ll jantar solidário em Gó...

. CASA do CONCELHO de GÓIS ...

. Esporão

. II Noite Musical Solidár...

. II Jantar Solidário da Ca...

.links

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO