Terça-feira, 31 de Março de 2015

Augusto Rodrigues ( Rodrigues & Rodrigues ) Góis

Augusto chegou descalço a Lisboa e tornou-se rei do Cais do Sodré

 

Nasceu numa aldeia pobre e acabou a relacionar-se com as mais altas figuras do Estado Novo. Numa zona de Lisboa com má fama, construiu um império que durou mais de 70 anos.

Numa chuvosa noite de novembro de 2014, provavelmente mais cedo do que a escuridão do céu parecia indicar, um grupo de trabalhadores ocupava-se a despejar lixo para um contentor de entulho. Iam e vinham continuamente, procurando trazer o máximo possível em cada viagem. Àquela hora, o bairro lisboeta do Cais do Sodré ainda estava bastante vazio e aqueles operários pareciam ser as pessoas mais atarefadas da Rua Nova do Carvalho, a rua cor-de-rosa, onde a loja que estavam a esvaziar se iria tornar, brevemente, em mais um bar, restaurante ou discoteca.

O espaço fica na esquina entre a rua cor-de-rosa e a Travessa dos Remolares. Atualmente, é o bar e restaurante Duplex. Em novembro, as paredes, o chão e o tecto estavam picados e todos os objetos que lá havia dentro estavam a sair: tecidos, bancas, mosaicos. E uma placa de mármore rosa, com um nome gravado, fora abandonada em cima de uma caixa de eletricidade próxima.

 

O que o homem e a pedra têm em comum é o pó. O homem, efémero, do pó vem e ao pó retorna, a crer na Bíblia. A pedra, durável, é o resultado da aglomeração de minerais, de pó, que forma essa superfície dura que serviu de base ao desenvolvimento da Humanidade. O frágil homem usou a poderosa pedra para obter alimentos,  desenvolver ferramentas e erguer casas. Mas a efemeridade levou também o homem a confiar na durabilidade da pedra para aí deixar gravada a sua memória. Morre o homem, fica a memória. Ele regressa ao pó, a pedra subsiste.

A pedra de que falamos – e que motivou este artigo – refere-se a um homem, sim, mas é sobretudo o testemunho da memória de um bairro. Tudo se passou num Cais do Sodré hoje desaparecido. A loja que os trabalhadores esvaziavam foi o coração de um império de tecidos e fardamentos chamado Rodrigues e Rodrigues. O homem chamava-se Augusto Luís Rodrigues. Esta é a sua história.

Como fintar um galego

Em 1964, Augusto Rodrigues era um homem que já não tinha mais degraus pela frente na escala social. Era dono de uma empresa de enorme sucesso, era sócio de outras tantas, relacionava-se com as mais altas figuras do Estado Novo e estava prestes a receber a segunda condecoração das mãos do Presidente Américo Tomás. Ia tornar-se comendador (título que ficou para a posterioridade) de Mérito Industrial. Dois anos antes, recebera a Ordem de Benemerência, grau Cavaleiro. A diferença entre 1964 e 1916 era enorme. E Augusto quis celebrar com os empregados da firma.

Foi há mais de 50 anos, mas aquele 19 de setembro de 1964 foi de tal forma memorável que Manuel Ferreira não hesita quando tem de limpar o pó às memórias do dia. “Uma festa grande e meia lagosta”. Isto é que era a novidade excitante. “Não me pergunte o que era o resto da comida”, ri-se agora o ex-empregado da Rodrigues e Rodrigues, que tinha 16 anos na altura e, até aí, nada mais recebera da empresa do que pedidos de competência, seriedade e assiduidade.

O percurso de Manuel Ferreira tem alguns paralelismos com o do patrão, que em 1964 estava a escassos cinco anos de morrer. Manuel chegou à Rodrigues e Rodrigues como marçano, moço de recados, acabado de sair da quarta classe. Augusto, em 1916, também entrou com essa categoria na loja de um galego. “Tive de comprar umas calças para ir trabalhar”, conta Manuel. Já Augusto “veio de Góis com as botas às costas para não estragar”.

Quando a lenda supera a realidade, imprima-se a lenda. Este parece ter sido o mote de todos quantos escreveram sobre a vida de Augusto Luís Rodrigues. Em 1916, com onze anos, “era um moço alto, forte, desempenado, que já dentro de si trazia o sonho de ser comerciante, de fazer grandes coisas”. A citação é de uma brochura de homenagem editada em 1964 por iniciativa de um grupo de empregados de Augusto e o tom epopeico é uma constante notada também numa monografia de Raul de Carvalho, escrita em 1970.

 
Anos 40
2015
JuxtaposeJS

A fotografia da esquerda é de Eduardo Portugal, cedida pelo Arquivo Municipal de Lisboa. Arraste a barra central para ver o antes e depois

Com mais ou menos fantasia, o certo é que Augusto chegou a Lisboa com onze anos, vindo de uma paupérrima Carcavelos, lugar mais pequeno do que aldeia do concelho de Góis, que “pouco mais tinha do que seis moradias de gente pobre”, lê-se na brochura. Veio logo para o Cais do Sodré, que era um bairro bem diferente do que é atualmente. Imagine-se uma Rua Nova do Carvalho sem os tons rosa que agora a caracterizam, calcetada em pavé, com constante movimento de carroças e pessoas, com bares mas também com outro tipo de comércio.

Entre 1916 e 1918 a história conta-se rapidamente. Augusto veio trabalhar com o irmão, António, para as lojas de um galego, José Faro, de quem podia rezar esta história. Não reza porque, certo dia, Augusto e António decidiram bater com a porta a Faro, arranjaram um empréstimo de três contos e oitocentos, abriram uma loja própria de fardas, começaram a roubar os fornecedores ao galego e, pouco depois, este ia à falência, ficando os irmãos Rodrigues com os espaços que eram dele. Foi assim que, em poucos meses, a Rodrigues e Rodrigues passou a ter sete lojas na zona do Cais do Sodré.

Augusto Rodrigues era um homem de tal modo poderoso que "a Rua Luís Fernandes, entre a Rua de São Marçal e a Rua Cecílio de Sousa, foi fechada para eles fazerem uma garagem", conta Alberto Hélder. Essa rua ainda hoje está fechada ao trânsito.
 

Fardas, santolas e lagostas

Para demonstrar o quão importante a Rodrigues & Rodrigues foi para o bairro, para Lisboa e para o país, Alberto Hélder ainda guarda dezenas de envelopes com curiosas inscrições. Havia pessoas que não escreviam o endereço completo da empresa. “‘Casa dos Fardamentos, Lisboa’. Só. Iam lá parar. ‘Ao sr. Alberto que trata das guias das costureiras’. Ia para o Rodrigues e Rodrigues”, conta Hélder, que também chegou à firma em tenra idade e, hoje, não se cansa de repetir que esta foi para si “uma escola de vida”.

Tinha 14 anos e costumava ir a casa de Augusto vender frutas e legumes. “A minha mãe para sobreviver e dar de comer a três galifões tinha que ir à praça da Ribeira de madrugada comprar hortaliça e fruta e vender à porta aos vizinhos”. Um dia, o comendador perguntou-lhe se queria ir trabalhar para a Rodrigues e Rodrigues. “Ganhava 150 escudos nessa altura. ‘Ah eu duplico-te isso’. E foi assim que o Alberto Hélder foi trabalhar no dia a seguir para o Rodrigues & Rodrigues como telefonista.”

Dos 73 anos que Alberto tem hoje, 31 foram passados naquele prédio de esquina entre a Rua Nova do Carvalho e a Travessa dos Remolares. “Assisti à evolução até ao pico e depois, infelizmente, também assisti à queda”, recorda o agora diretor do museu da Associação de Futebol de Lisboa. O posto de telefonista que ocupava dava-lhe um contacto privilegiado com Augusto Rodrigues, ou “patrão Augusto”, como lhe chamavam os empregados. “O comendador era uma pessoa muito aguerrida, muito comerciante, com sentido de responsabilidade, mas sempre com um faro que era uma coisa assustadora.”

Naquela altura, 1956, “o império já estava montado”, mas havia de crescer muito mais. A Rodrigues & Rodrigues era “fornecedora do Estado, de autarquias e das principais empresas comerciais e industriais do país”, entre elas os Correios e todos os serviços imagináveis, lê-se na brochura de homenagem a Augusto. Pouco tempo depois, com o rebentar da Guerra Colonial, é também esta empresa que vai estar na linha da frente. “O que acontecia era: concursos públicos, propostas e adjudicações. É evidente que quando uma empresa tem uma determinada dimensão, consegue oferecer um preço muito mais convidativo do que outras entidades”, afirma António Domingos, sobrinho de Augusto Rodrigues, que deste apenas herdou um apelido.

Alberto Hélder tem, no entanto, outra explicação. “Tinha um poder muito grande, principalmente junto das pessoas que tinham poder decisório neste país” e, assim, conseguia ganhar inúmeros concursos para fornecimento do Estado. “Como é que isso funcionava? De uma maneira simples, mas que hoje era logo apelidado de suborno. Ele todas as semanas arranjava [faz um gesto com as mãos para indicar grandeza] peixe, pescadas, garoupas, santolas, lagostas e fazia o oferecimento a essa gentinha toda. Quando ia para os concursos, ganhava praticamente tudo.”

Uma vez, a conversar com um trabalhador antigo da casa, em que ele, a dado passo, a falar sobre o meu tio, dizia assim: ‘Este homem [e olhava para a fotografia que estava na sala do refeitório], este homem obrigou-me a trabalhar às vezes...não havia horas nem fins-de-semana. Comeu-me a carne.’ E de repente pára, olhou para a fotografia e diz: ‘Mas foi mais que meu pai’. E caem-lhe duas lágrimas dos olhos.
António Domingos

O dia e a noite de uma zona de má fama

António Domingos é naturalmente cauteloso a falar deste assunto, preferindo antes destacar as saudades que tem do tio Augusto, que morreu quando António tinha 19 anos. “Nunca tive ídolos na minha vida, mas tive referências – e uma delas é o meu tio”, começa por dizer o agora consultor financeiro, surpreso pelo contacto do Observador.

Organizar as memórias na cabeça não é tarefa fácil e as histórias vão-lhe saltando na boca como cerejas. Se Alberto fala de Augusto em Lisboa, António consegue falar de Augusto na terra natal, Góis, onde teve uma casa paredes meias com os Paços Novos, monumento quinhentista, o mais importante património arquitectónico daquela vila. “O meu tio chegava a Góis. Chegava a Góis como um anónimo normal, [tanto] quanto ele podia ser anónimo na terra dele, que não poderia ser. Ora bem, entrava em casa, daí a um bocado estavam-lhe a bater à porta. E quem era? Era a banda que ia tocar uma música de boas-vindas. Eu acho isto… não é tanto de bajulação… acho isto quase ternurento.”

augusto_ambulancia

Andreia Reisinho Costa/Observador

 

A admiração goiense não era despropositada. Naquela vila, Augusto Rodrigues foi o responsável por algumas das mais importantes obras sociais. “Ao ser-lhe solicitada ajuda para uma instituição local de caridade, a Sopa dos Pobres de Góis, cedeu-lhe de pronto um edifício que aí mandara fazer no valor de 300 contos e além disso enviava anualmente avultada quantia”, escreve Raul de Carvalho, que salienta também que o comendador foi responsável pela “construção de um bairro de casas para pobres” que ainda existe, além de ter oferecido uma ambulância – a primeira daquele concelho – aos bombeiros locais e de ter patrocinado a fundação do colégio da terra. Góis retribuiu-lhe, dando o nome de Augusto a uma das principais artérias da terra.

augusto-mapa-770

 

augusto_casa

Andreia Reisinho Costa/Observador

 

Caridoso, sim, calculista, também. Nascido num meio humilde e sem grande instrução, Augusto soube movimentar-se nos meandros do Estado Novo para obter o que queria e não se coibiu de alargar o negócio a outras áreas. Além das lojas, tinha também muitas casas nas imediações do Cais do Sodré que arrendava aos empregados, tinha o Café Nacional da Rua 1º de dezembro e era sócio de uma barbearia e alguns bares: o Lusitano, o Atlântico, o Americano e um outro, de cujo nome nem Alberto nem António se conseguem lembrar. Quase todos esses bares eram frequentados por marinheiros e prostitutas, que na altura abundavam na zona. E a biografia oficial é omissa neste ponto: “No decurso do tempo, mais para proporcionar a outros o ensejo de se tornarem independentes do que no propósito de aumentar os seus rendimentos, Augusto Luís Rodrigues investiu grandes capitais e pôs a sua experiência comercial ao serviço de outros estabelecimentos de géneros diferentes daquele em que sempre trabalhou.”

António Domingos, que começou a carreira na loja do tio, mas já depois da morte deste, lembra-se de como “aquela zona tinha uma conotação muito negativa”, mas desvaloriza os interesses que Augusto tinha na indústria noturna. Alberto Hélder e Manuel Ferreira, por seu turno, lembram-se de como as raparigas se metiam com eles, quando ainda eram novos, uns e outros, e os aliciavam a passarem uma hora com elas. Ambos garantem que nunca aceitaram o convite, mas não foi por falta de sítio: mesmo por cima de uma das lojas da Rodrigues & Rodrigues havia uma casa de passe.

augusto_concelho

Andreia Reisinho Costa/Observador

 

Uma gestão inovadora

Em 1969, Augusto Rodrigues tinha 74 anos. Ainda assim, a sua morte, a 23 de dezembro, apanhou toda a gente de surpresa. À data, a Rodrigues & Rodrigues era das poucas empresas nacionais que pagava a semana inglesa, dava subsídio de Natal e ainda um cabaz de produtos pelas festas. O pessoal, recorda Alberto, ficou a pensar se a morte do patrão significaria o não-pagamento do subsídio e do cabaz. Não significou, mas a Rodrigues & Rodrigues não seria mais a mesma.

O projeto de criar um grande armazém com a dimensão de um Grandella ou um Chiado no Largo de São Paulo morreu. Morreu também o projeto de construir em Meleças um bairro para os trabalhadores da firma. Acabaram-se os 100 escudos anuais que o comendador dava a cada um dos polícias sinaleiros de Lisboa, mas o dinheiro não deixou de entrar nos cofres da Rua Nova do Carvalho. “Aquilo era uma casa muito rica, produtiva e que dava lucro. Era montanhas de dinheiro a entrar”, refere Alberto Hélder, que se recorda bem das filas que os clientes faziam na Rua Nova do Carvalho e paralelas para adquirir fardas e tecidos.

Quando acontecia alguma situação relacionada com a PIDE, ele tinha muito poder junto do Silva Pais, porque por vezes eu via lá as pessoas a chorar ‘o meu marido, o meu pai, o meu filho, não sei quê’ e então ‘oh Berto, liga aí para ali para o Silva Pais’, eu ligava, passado uns tempos passavam lá as pessoas ‘senhor comendador, muito obrigado’, sinal de que já tinham ultrapassado esta questão<br >
Alberto Hélder

Augusto morreu, ficaram quatro homens da sua confiança a dirigir a empresa. Depois, o 25 de abril veio e, com ele, o início da convulsão interna. Judite, viúva de Augusto, desinteressou-se da Rodrigues & Rodrigues e esta passou a ser propriedade dos trabalhadores. Uma novidade que requeria organização. “Aquilo foi um processo muito bem organizado, muito bem estruturado, era uma empresa já muito grande e impunha regras de gestão já muito trabalhadas e sofisticadas”, afirma António Domingos, que nessa altura assumiu maior protagonismo na firma, ao ser eleito primeiro para um departamento de reorganização interna e, mais tarde, para a gestão. “Havia de facto a ideia de que a empresa se devia adaptar aos novos tempos e com uma velocidade enorme. Foram tempos fabulosos, no bom e no mau, mas eram tempos muito rápidos, as coisas tinham uma rapidez enorme, era preciso adaptar as estruturas empresariais a isto”.

Ao mesmo tempo, a política entrava pela porta escancarada. Se Augusto Rodrigues tinha uma simpatia, ainda que não declarada, pelo antigo regime, os funcionários da firma que dirigia dividiam-se entre as ideologias socialista e comunista. “O projeto [de autogestão] era bonito”, conta Manuel Ferreira, que acredita que a ideia falhou pelas divisões partidárias. Durante uns anos, ele próprio chegou a pertencer à estrutura de gestão, “mas vi que aquilo não estava a dar e vim-me embora”, diz. “Era uma euforia muito grande, começou a haver muita falta de respeito, era difícil implementar as ordens”, conta. A dada altura, as próprias instalações da Rodrigues & Rodrigues eram usadas para comícios políticos. “A nostalgia maior que eu tenho é que podia ser uma grande empresa e foi destruída pelo partidarismo”, comenta Manuel, hoje dono de uma empresa especializada na venda de fardamentos para a construção civil.

O 25 de abril significou também o fim das encomendas estatais e do fornecimento de áreas estratégicas, como o Exército, que agora já não estava a combater em África e, portanto, já não precisava de equipamentos novos. “Quando circunstâncias exteriores à empresa alteram esses mercados, ou a empresa tem capacidade para se adaptar, substituindo esses mercados por outros, com alguma rapidez, ou então tem ali momentos de grande dificuldade”, comenta António Domingos, que entrou na empresa por insistência da tia Judite e saiu em 1983 para fundar diversas empresas de consultoria financeira.

O Rodrigues & Rodrigues nunca foi assaltado. Era uma zona muito crítica, onde passava muita gente. Nós íamos [fazer] os depósitos e levantamentos ao BNU, na Ribeira das Naus, com fortunas, embrulhadas em papel de jornal, e nunca nos aconteceu nada. Isto era um milagre.
Alberto Hélder

Lembra-te que és pó…

Não é certo quando a Rodrigues & Rodrigues acabou verdadeiramente. Nos anos 1990, algumas lojas na Rua Nova do Carvalho e redondezas passaram para empregados mais antigos e o império esfumou-se. Hoje, só há uma loja de fardas no Cais do Sodré, gerida pela filha de um ex-empregado da empresa-mãe.

Augusto Luís Rodrigues, um dos primeiros imperadores do Cais do Sodré, foi também um dos maiores responsáveis pela colocação daquele bairro no mapa dos lisboetas e não só no século XX. Homem de convicções, reconhecido pelos empregados como bom patrão (que ainda assim não pagava bem às costureiras nem concordava que estas tivessem férias) e tenaz comerciante, Augusto parecia também reconhecer valor a quem o rodeava. “Ele gostava muito que nós trabalhássemos e havia gente lá que se dedicava ao trabalho com alma e coração: entrava muito cedo e saía muito tarde. Além de sair muito tarde, ainda tínhamos de fazer serão”, relata Alberto Hélder, que trabalhou a escassos metros do patrão durante anos. “As pessoas trabalhavam, sim senhor, mas ele respeitava o trabalho e pagava”, confirma o sobrinho. Isso traduzia-se não só nas regalias salariais pouco habituais para a época, mas também em pequenos gestos, como acatar sugestões de melhoramento do negócio, dar gorjetas inesperadas ou interceder por funcionários e familiares junto das autoridades, quando necessário.

Morreu em 1969. Dez anos antes, a placa que motivou este artigo foi descerrada. “A Augusto Rodrigues, homenagem dos seus empregados”, lê-se no robusto pedaço de pedra, colocado à vista do público a 6 de dezembro de 1959. O homem foi, a pedra ficou. Como testemunha do homem, mas não só. Como memória inapagável de um Cais do Sodré que já foi e não volta a ser.

augusto rodrigues,

Hugo Amaral/Observador

 

Texto: João Pedro Pincha

Fotografia: André Correia, Hugo Amaral, Arquivo Municipal de Lisboa, monografia “Concelhos de Portugal” e Ana Paulo Carvalho

Design: Andreia Reisinho Costa

O Observador agradece ao Prof. João Alves Simões, de Góis, pelo apoio prestado na elaboração desta reportagem

publicado por penedo às 20:08

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.posts recentes

. III Noite Solidária-C.C.G...

. Trajecto do Elèctrico  28

. Comendadores de Góis

. Comendadores de Góis em L...

. Comendadores de Góis

. GASTRONOMIA E AS GAMELINH...

. ...

. ll jantar solidário em Gó...

. CASA do CONCELHO de GÓIS ...

. Esporão

.links

.arquivos

. Setembro 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO