Terça-feira, 17 de Julho de 2012

Encontro dos Povos da Serra da Lousã (2012)

publicado por penedo às 22:37

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Julho de 2012

Santo António da Neve

  1.  
    Este sábado, todos ao Santo António da Neve
    Este sábado, todos os caminhos vão dar ao Santo António da Neve. A 14 de Julho todos os povos da Serra da Lousã confluem no local conhecido pelos seus poços de neve e a capela mandada erigir em honra do santo casamenteiro. Este é o encontro que, todos os anos, junta pessoas ligadas à Lousã, Castanheira de Pêra, Miranda do Corvo, Figueiró dos Vinhos e outros concelhos serranos. A animação, como é habitual, é espontânea e não faltarão concertinas, danças e os farnéis que os participantes terão todo o prazer em partilhar. Aos que quiserem participar neste evento que vai já na sua 16.ª edição, a Câmara Municipal da Lousã disponibiliza transporte gratuito a partir dos paços do concelho, logo pela manhã. Quem optar por se deslocar em viatura própria, deverá seguir pela estrada que liga a Lousã à Castanheira de Pêra, passando pelo Candal e rumo ao Trevim. Já perto do retransmissor, corta-se à direita, passa-se pelo monumento de homenagem a José Maria Cardoso e segue-se pela estrada à direita, em direção ao Santo António da Neve. Para quem já não passa sem o GPS, aqui ficam as coordenadas: 40º 04’ 45 06’’ N e 8º 09’ 40 45´´ O.
    O Trevim sugere que, neste sábado, desfrute dos ares puros da Serra da Lousã, marcando presença no Encontro dos Povos, para, no regresso, assistir na Cerdeira, às 21:30, ao espetáculo da cantora Vânia Fernandes e do pianista Júlio Resende, num concerto integrado no evento “Elementos à Solta”, que de 13 a 15 de julho transforma aquela aldeia na maior mostra de arte ao ar livre.
    O Encontro de Povos da Serra da Lousã é uma iniciativa da Associação Caperarte e dos jornais Trevim, Mirante e A Comarca, enquanto “Os Elementos à Solta” são da responsabilidade da ADXTUR – Centro Dinamizador das Aldeias de Xisto.
 
publicado por penedo às 18:11

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Junho de 2012

S. António da Neve

 

                                      

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                               

publicado por penedo às 10:40

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 7 de Julho de 2011

15.º Encontro dos Povos da Serra da Lousã.


No próximo sábado, dia 9, todos os caminhos vão dar ao Santo António da Neve.
Trata-se do 15.º Encontro dos Povos da Serra da Lousã. Um convívio a não perder!
A iniciativa é dos jornais Trevim, Mirante e Comarca e da Caperarte
. As câmaras da Lousã, Castanheira de Pera e Miranda do Corvo apoiam o evento.

ttps://www.facebook.com/jornal.trevim
publicado por penedo às 00:31

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Junho de 2010

Sto Antonio da Neve 2010

publicado por penedo às 00:00

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Junho de 2009

Romaria de Santo Antonio da Neve

Para mais tarde recordar... Encontro dos Povos Serranos da Serra da Lousa. O convívio faz parte da festa no alto da serra... in http://www.youtube.com JoaquimMartinsSilva
publicado por penedo às 16:55

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 23 de Junho de 2009

Santo António de Neve 1968

Hoje é dia de Santo António

 

O postal diz tudo... recordação de Santo António da Neve, penso que de 1968... Foi enviado ao João Simões, quando se encontrava na tropa em África, pela familia.
Das povoações subiam a pé as familias, normalmente em grupo por aldeias (concelhos de Góis, Castanheira de Pera, Lousã). Levavam o farnel, que depois comiam nas encostas que rodeavam a Capela.
Iam também excursões em camionetas, como se vêem na fotografia/recordação. Hoje já lá vamos de carro, confortáveis. Mas a bem da verdade sabe bem comer lá o lanchinho.

Foto cedida por Maria Olinda B. N. Simões

in

aldeiadoesporao.blogspot.com

 

publicado por penedo às 12:10

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008

Neve na Serra da Lousã

O Penedo viu o maior nevão dos últimos 20 anos na Serra da Lousã 

o que atraiu centenas de pessoas ao Trevim e ao Santo António da Neve.

 

 

Veja o vídeo da notícia da SIC clicando: Aqui

 

 

 

 

publicado por penedo às 17:44

link do post | comentar | favorito

NEVE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                    PODE  VER MAIS FOTOS

in

      http://poboraes.hi5.com

 

 

publicado por penedo às 00:36

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 20 de Novembro de 2008

Apontamentos---O culto a Ilurbeda



Dr. João de Castro Nunes, apaixonado pela arqueologia da nossa região, investigou e estudou alguns monumentos e materiais que, em meados do século passado, foram “descobertos” e dados publicamente a conhecer.
E, ao relacionar os petróglifos, que viria a denominar por “Pedra Letreira” e de “Pedra Riscada”, com aras encontradas nas suas cercanias, salienta a hipótese de o espaço ao redor da Serra do Penedo se tratar de um santuário de crenças primitivas, talvez de culto a uma divindade local, de nome
Ilurbeda.
De monografias que então publicou, e que são referidas mais adiante, retiramos as seguintes passagens:

“…
Qual balcão desafrontado e sobranceiro às vertentes escalvadas e às barrocas fundas dos contrafortes da Lousã, é medonho e ao mesmo tempo aliciante o cenário que da Pedra Letreira se desfruta. Visto de ali, um pôr de sol a dessangrar-se por entre os dentes eriçados da crista silúrica da Serra do Penedo é simplesmente inolvidável…

(…) No panorama circundante, não constitui a Pedra Letreira um documento que digamos único da presença do homem por aquelas paragens em tempos mais ou menos recuados.
Em frente, na linha do poente, lá estão as
minas romanas da Escádia, em cujos nichos dos hastiais, abertos a 1,20 m se encontravam, quando há anos se procedeu ao desentulhamento das respectivas galerias, algumas lucernas (…). Mais adiante, na mesma direcção, mas já dobrada a encosta, há o lugar dos Povorais, com as suas minas antigas de que procedem dois picões de ferro, de época romana (…). Cara ao norte, no Alto das Cabeçadas, temos os poços romanos, de exploração mineira, conhecidos pelas Covas dos Ladrões, de um dos quais saíram, não há muito, duas pequenas aras consagradas à divindade indígena “Ilurbeda” (…) E mais para além, vencida a serra da Folgosa e ultrapassado o Rabadão, não podemos deixar de referir as minas pré-históricas da Eira dos Mouros, na Encosta da Devouga, ao Liboreiro, com materiais de feição eneolítica e demais períodos do Bronze.
Estes e outros vestígios do passado, ainda mal conhecidos, são indícios para já suficientemente reveladores de uma longa e activa permanência humana por aquelas redondezas, motivada ao que parece pela sua relativa abundância de minérios, o ouro e o estanho sobretudos. São como anéis desarticulados e dispersos de imaginária cadeia forjada, na bigorna dos séculos, por gerações atrás de gerações. Pobres restos materiais, aparentemente sem valor, que encerram no entanto a alma e a mentalidade dos povos que ali se sucederam e os deixaram, é através deles que teremos de refazer e articular de novo os elos da cadeia, se quisermos vir a ter um pálido vislumbre da sua trajectória pela penumbra dos milénios.

(…) A magia, que brota da “Pedra Letreira” volta aqui
[na “Pedra Riscada”], a dominar-nos, avassaladora e irresistível. Parece obra de encantamento. Apalpa-se a presença do sobrenatural. Há longes de infinito na cumeada das montanhas. Foge-nos a alma para o céu. O poder divino manifesta-se. Lugares malditos, chama-lhes o povo. Evita os seus silêncios. Aterra-o a solidão do ermo. Cria o mito das mouras encantadas. É que, por instinto, ele tem a percepção de ali estarem as relíquias de deuses ancestrais, de cultos esquecidos e quem sabe se a cinza dos seus mortos. Tem o respeito instintivo do sobrenatural, o respeito do sagrado, que tem fronteiras com o medo.
Quando os romanos, na pista do ouro, vieram dar a estas serras, devem ter sofrido a efeito do mesmo sortilégio. O espectáculo grandioso da paisagem, dinamizado pela crista da Serra do Penedo, qual dorso de gigantesco dinossauro a esventrar o céu, cujo céu, ao mesmo tempo aliciante e alucinante, havia de moralmente os predispor para a aceitação do poderoso Génio local, a cuja vontade deveriam obedecer as forças ocultas da própria natureza física. Senhor dos montes e das fontes, das trevas e da luz, das nuvens e dos ventos, da superfície exterior e das entranhas, da vegetação e dos rochedos, eram seus também o ouro e o estanho dos filões.

(…) Há hispanos que, fascinados pelo fulgor da civilização romana, passam a sacrificar nas suas aras, como se renegassem dos seus deuses. Outros há que, mesmo revestidos dos atributos da nova cidadania, continuam presos aos novos cultos e, alatinando o nome dos seus ídolos, o mandam gravar na legenda piedosa dos ex-votos, guardando intactas no coração as suas crenças ancestrais (…) Vem isto a propósito de, há tempos, terem sido achadas em trabalhos de desobstrução de antigos poços de exploração mineira, no alto das Cabeçadas, às Covas dos Ladrões, duas pequenas aras, do tempo dos romanos, dedicadas a uma divindade indígena:
Iburbeda.

(…) Tem “ressonância ibérica” o nome
Ilurbeda. Abona-se o mesmo radical em topónimos e hierónimos das terras levantinas, a clássica Ibéria. São fósseis venerandos de tempos idos, de velhos idiomas, ainda não cruzados de indo-europeísmo, falas porventura tão remotas como as gravuras dos petróglidos, atribuíveis na generalidade ao decurso de tempo que nos fins do Neolítico se estende aos fins do Bronze, como as antas do caminho.
É nome de cariz hispano-mediterânico. Ainda o seu radical nos signos silábicos das inscrições ibero-tartéssicas, legíveis mas não decifráveis. Com o Bronze Atlântico e, mais tarde, com o Ferro, vieram os povos da Europa Central e da Itália e, aqui, no reduto das montanhas, vestido à latina, o nome resistiu…

(…) No cenário majestoso que tem por centro de gravitação a altaneira Serra do Penedo havia, pois, um culto antiquíssimo. A “Pedra Letreira” dos Amieiros e a “Pedra Riscada” da Mestras são, juntamente com as aras romanas das Covas dos Ladrões, nas Cabeçadas, documentos abonatórios da sua vitalidade através de muitos séculos. Que os dedicantes destas aras fossem romanos de gema, o que não é provável, a avaliar pelo onomástico e respectiva ortografia, ou naturais romanizados, isto é, hispano-romanos, vem a dar o mesmo. O que importa é que elas atestam, já no Outono do Império, a longa perduração desse culto e o nome da respectiva divindade.
Não conhecemos, em ponto algum do território hispânico, qualquer outro testemunho de tal hierónimo. Tratar-se-á de um culto exclusivamente local? Relíquia filológica do património cultural das populações de fala ibérica, ou anterior a elas, o certo é que, se outros centros houve do culto a esta divindade no resto da Península, carecemos das respectivas provas. Não se conhecem mais vestígios. Só este subsiste.
O que não sabemos, nem saberemos nunca pela certa, é o que nas garatujas ideográficas da “Pedra Riscada” e monumentos congéneres, qual ensaio incipiente de incipiente escrita, quiseram os pretensos devotos de
Ilurbeda expressar para além de uma instintiva atitude de sujeição ao seu poder sobrenatural.
Calemo-nos pois. Não profanemos com palavras vãs a paz do ermo que envolve o santuário. Todo o mistério tem o seu encanto, a sua poesia, que é uma das formas da verdade…
(…)”

Nota (em Agosto de 2008):

Sobre esta divindade, o Doutor João de Castro Nunes deu-nos a seguinte informação complementar, que, com a sua autorização, damos a conhecer publicamente:

«…vou directo ao assunto da sua prezada carta respeitante ao nome da divindade atestada pelas duas aras do concelho de Góis, a tal Ilurbeda que anda nas bocas do mundo, como se constata pela abundante informação electrónica. Vou procurar não me alongar demasiado.
Após a publicação, por mim e pelo Engº. Dr. Veiga Ferreira, das ditas aras, ambas procedentes de um poço das Covas dos Ladrões, nas Cabeçadas, ainda não totalmente explorado, o respectivo teónimo foi integrado na dissertação de licenciatura do Doutor José d’ Encarnação sob o título de “Divindades indígenas sob o domínio romano em Portugal (Subsídios para o seu estudo)”, limitando-se o autor a confirmar as nossas considerações, tanto de ordem linguística como arqueológica. A obra, publicada em 1975 pela Imprensa Nacional - Casa da Moeda, encontra-se absolutamente esgotada. Com os empréstimos, fiquei também sem o meu exemplar.
Entretanto era divulgado pelo “Archivo Español de Arqueologia”, em 1971, o aparecimento de uma nova ara dedicada à mesma divindade em Segoyuela, Salamanca, sem que chegasse ao conhecimento do Dr. Encarnação que obviamente a não refere na entrada dedicada, no seu repertório, à divindade em questão.
Posteriormente, no III Colóquio sobre as Línguas e Culturas Paleohispânicas por mim organizado em 1980 na Universidade de Lisboa sob os auspícios da Universidade de Salamanca, que publicou as respectivas Actas em 1985, o Prof. Jurgen Untermann, da Universidade de Colónia, apresentou uma extensa comunicação intitulada “Los teónimos de la región lusitano-gallega como fuente de las lenguas indígenas” em que se ocupa do nome de Ilurbeda e afins, ou seja, de radical idêntico, que de modo algum mereceu a minha concordância. O ilustre linguista, um dos mais reputados indo-europeístas europeus, chegou a pôr em dúvida a leitura Ilurbeda, desdobrando-a em I(unoni) ou I(ovi) Lurbedae, ao sabor das suas conveniências… Um autêntico disparate. De qualquer forma, relacionando-a com a divindade Ilurberrixo, atestada na Aquitânia, equaciona o problema de uma hipotética, mas improvável, relação desta com as de Góis e Salamanca. A distância é um empecilho.
Agora aparece uma nova referência na região de Burgos, alargando consideravelmente a zona de expansão do culto à nossa divindade. Pela fotografia que me foi dado ver, não distingo se se trata de uma ara ou simples lápide, o que para o caso carece de importância.
O principal problema que este teónimo suscita é de natureza linguística, o que para já é absolutamente insolúvel. Em linguística histórica não se pode ir às apalpadelas, atrás de conjecturas em parecenças que podem ser meramente ilusórias. Trata-se de uma ciência de grande rigorismo e que exige uma preparação muito especializada. Em dada altura, facilitando, cheguei a considerar estarmos em presença de uma divindade do mundo especificamente ibérico, no sentido tradicional do termo. Hoje não defenderia de ânimo leve tal congeminação. Conhecendo hoje, como conheço, o panorama étnico e linguístico do território hispânico, uma autêntica manta de retalhos, de povos, línguas e culturas, não me atrevo a propor qualquer identificação terminológica. Ibérico? Céltico? Celtibérico? Vetónico? Foi por isso que, no referido III Colóquio, propus para os povos, línguas e culturas anteriores à romanização o termo
“paleohispânico”, que teve larga aceitação e hoje goza de preferência nas investigações e publicações em curso. Perante a indefinição reinante, é o que a prudência recomenda. Até novas clarificações.
Nestas condições, o teónimo Ilurbeda, que tão bem soa, pertence ao panteão das divindades que, antes da romanização, foram objecto do culto de povos indígenas de imprecisa identificação e que, já sob a dominação romana, continuaram em muitos casos, como aconteceu no concelho de Góis, a merecer a atenção das populações locais e até, por sincretismo, dos próprios agentes da romanização. Mais do que isto não se pode dizer, sob o risco de navegarmos num mar de fantasias. Deixemos isso para os poetas!
No correio de amanhã vou-lhe mandar uma fotocópia do artigo do Prof. Untermann, que presentemente está a preparar a actualização do vol. II do “Corpus Inscriptionum Latinarum”, referente ao território hispânico sob os auspícios da Academia das Ciências de Berlim, o que só por si é claro apanágio do seu prestígio científico. Foi o arguente da tese de doutoramento de um antigo aluno meu da Universidade de Lisboa, onde agora exerce a docência com altíssimo nível nos domínios conjuntos da Arqueologia e da Paleolinguística. Revejo-me nele!»

João de Castro Nunes, agora na posição de poeta, teve também a amabilidade de compor a seguinte poesia, especialmente para este Portal:

Ilurbeda

Il est des lieux où souffle l’esprit”
Maurice Barrès


Andam deuses pagãos pelas vertentes
voltadas para a crista do Penedo
em cujo panorâmico fraguedo
há do seu génio provas evidentes.

A par do nome hispânico-latino
inscrito em duas árulas romanas
muitas gravuras há pré-lusitanas
sopradas pelo espírito divino.

Difícil é saber interpretar
o que as populações nos transmitiram
nos riscos que deixaram lá ficar.

Sem pretender qualquer decifração,
limito-me a dizer que elas sentiram
andarem deuses… por aquele chão!

João de Castro Nunes

in:

http://cultura.portaldomovimento.com

publicado por penedo às 11:55

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 24 de Outubro de 2008

À Volta dos Penedos---1º Geo-Raid Aldeias do Xisto

Uma prova. Um desafio. Uma aventura.

O pretexto para este GEO RAID são as bonitas Aldeias do Xisto espalhadas pelas encostas da Serra da Lousã.

A partida e chegada será na Vila da Lousã.
No sábado, dia 25, as equipas partirão à descoberta do maciço sul da Serra, percorrendo cerca de 100km, nos quais os participantes são levados a conhecer algumas das mais emblemáticas Aldeias do Xisto, como Gondramaz, Ferrariade S. João ou Casal de S. Simão. O percurso "tocará" a Barragem do Capril antes de voltar, passando por terras de Castanheira de Pêra.

No Domingo os aparelhos GPS conduzem os participantes em sentido contrário ao do dia anterior, para a zona norte da Serra, passando pelas Aldeias de Aigra Velha e Pena, percorrendo terras de Góis.

Geo Raid Mapa Lousã (PDF)

Altimetrias Geo Raid (PDF)



Organização
Geo Raid
967 422 831
info@geo-raid.com
 

publicado por penedo às 11:28

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.posts recentes

. Encontro dos Povos da Ser...

. Santo António da Neve

. S. António da Neve

. 15.º Encontro dos Povos d...

. Sto Antonio da Neve 2010

. Romaria de Santo Antonio ...

. Santo António de Neve 196...

. Neve na Serra da Lousã

. NEVE

. Apontamentos---O culto a...

.links

.arquivos

. Outubro 2018

. Junho 2018

. Setembro 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO